Taxistas terão botão do pânico e vão contar com videomonitoramento

Associação conversou com Conselho de Segurança e presidência assegurou intermédio de medidas junto a Secretaria de Segurança Pública

f9fbdffa6384727d050131b622ad5364_L
Proteção a taxistas deve ser reforçada com policiamento ostensivo em barreiras, botão do pânico e videomonitoramento. Foto: Zero Hora

O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) busca alternativas para reforçar segurança dos taxistas. A classe é vítima de assaltos e solicita dos conselheiros garantias para continuar exercendo sua profissão.

 

Durante reunião ordinária o presidente do Conseg, Antonio Carlos Gouveia, assegurou que vai acionar a Secretaria de Estado da Segurança Pública para efetivar o sistema de videomonitoramento, como também a instituição do “botão do pânico” em taxis. O sistema é utilizado em veículos que fazem o transporte intermunicipal complementar.

 

“Vamos oficiar o secretário [de Segurança Pública, Lima Júnior] para que o videomonitoramento seja conduzido para áreas onde a estatística mostra que há mais ocorrência, pois neste sentido, o serviço de inteligência da Secretaria de Segurança Pública tem sido fabuloso, já que, existem taxistas utilizando estes equipamentos [botão de pânico]”, salientou Gouveia.

 

Conseg_int

 

Na avaliação do presidente, a SSP fará um ambiente de monitoramento que permitirá uma atuação ostensiva das guarnições policiais para efetivar a segurança facultada aos taxistas, sobretudo nas barreiras policiais.

 

“Aproveitamos e incluímos no processo que todo veículo táxi será devidamente abordado nas áreas de acesso à cidade, abrandando assim a insegurança da categoria”, assegurou o presidente do Conseg, que nada mais é que um órgão consultivo da Segurança Pública, podendo orientar e sugerir políticas de segurança pública.

 

Everaldo Júnior, presidente da Associação dos Taxistas de Alagoas, ressaltou que “a categoria, a partir de agora, sentirá mais segura após a palavra do presidente do Conselho de Segurança”.

 

Com a com a oferta do ‘botão do pânico’, na avaliação de Everaldo Júnior, e principalmente o videomonitoramento, que será implantado brevemente, “os taxistas vão poder exercer a função de forma segura. A vulnerabilidade do táxi hoje está concentrada nas saídas da capital, e dentro de horários noturnos que facilitam a ação dos bandidos”.

Mayara Rocha – Agência Alagoas