Operação prende suspeitos por briga na final do Campeonato Alagoano

acusados

Quatro pessoas foram presas nesta segunda-feira (9) suspeitas de envolvimento na confusão generalizada após a final do Campeonato Alagoano entre CSA e CRB, no Estádio Rei Pelé, emMaceió, no domingo (8). A informação foi confirmada pela Polícia Civil.

Um dos suspeitos é gandula do CSA e foi identificado como Wilson Ferreira Santos, 31. Também foram presos Arthur Henrique dos Santos Almeida, 20; Joseph Hebert Nascimento Ferreira, 29; e Flávio Gouveia dos Santos, 29, conhecido como Polha. Todos foram autuados por tentativa de homicídio e encaminhados à Casa de Custódia.

Segundo a polícia, todos são torcedores do CSA e foram identificados pelas imagens do sistema de segurança do estádio e dos veículos de comunicação. Clique aqui para assistir aos vídeos da confusão. A polícia não informou se eles integram alguma torcida organizada.

Arthur Almeida nega ter participado da briga e diz que foi obrigado a vestir a camisa do clube ao ser preso. “Eu não estava com essa camisa no dia do jogo. A camisa é minha, mas eles me obrigaram a vestir”, contou.

Wilson Santos admitiu ter brigado, mas disse que o fez para se defender. Os outros dois suspeitos não quiseram dar entrevista.

Segundo o secretário de Segurança Pública, coronel Lima Junior, os torcedores do CRB invadiram o campo primeiro, durante a comemoração do título do estadual logo após o final da partida. Em seguida, invadiram o gramado os torcedores do time rival.

“Um dos torcedores do CSA tentou acertar um jogador do CRB e errou, acertando um torcedor. Foi aí que a confusão começou. A polícia não demorou para agir, foram apenas 33 segundos, e nós estávamos na arquibancada com a tropa de choque segurando a mancha azul”, disse o secretário.

Participaram da entrevista coletiva para apresentar os detalhes das prisões, além do secretário Lima Júnior, o secretário de Estado da Comunicação, Ênio Lins, o delegado-geral  da Polícia Civil, Paulo Cerqueira, o tenente-coronel Túlio, responsável pela segurança do jogo, e o comandante do Corpo de Bombeiros, Adriano Amaral.

Investigações
Pela manhã, o delegado-geral da Polícia Civil (PC), Paulo Cerqueira, informou ao G1 que instituiu uma comissão de delegados para investigar a confusão. Quem irá presidir a investigação é o delegado Ronilson Medeiros, da Divisão Especial de Investigação e Capturas (Deic), com auxílio dos delegados Fabrício Lima e Manoel Acácio.

O Conselho Estadual de Segurança (Conseg) também informou que vai apurar a confusão, mas especificamente a atuação da Polícia Militar durante a partida. O objetivo é identificar se houve negligência por parte dos militares no trabalho em campo.

Por meio das redes sociais, o governador Renan Filho (PMDB) criticou o episódio. Ele classificou as cenas de violência como “selvageria, inaceitáveis e que envergonham as famílias”.

G1 AL