Labirintite pode ser causada por vírus, lesão ou reação alérgica a medicamento

Tonturas que pioram ao movimentar a cabeça, zumbidos, enjoos, vômitos e cefaleia são os principais sintomas que podem estar associados à doença

Labirintite pode ser causada por vírus, bactérias, lesão na cabeça, alergia ou ser uma reação a um determinado medicamento. Neide Brandão
Labirintite pode ser causada por vírus, bactérias, lesão na cabeça, alergia ou ser uma reação a um determinado medicamento. Neide Brandão

Você acorda e parece que tudo está girando. Você sente tontura, enjoo, perde o equilíbrio e tem mal-estar. Cuidado, isso pode ser labirintite. Ela é uma doença pouco frequente, caracterizada por uma infecção ou inflamação no labirinto (estrutura do ouvido interno constituída pela cóclea, responsável pela audição, e pelo vestíbulo, responsável pelo equilíbrio).

“Quando qualquer doença causa um distúrbio nesse sistema, podem ser desencadeadas tonturas, instabilidades ou até vertigens fortes com náuseas e vômitos”, explicou o otorrinolaringologista Floriano Rocha Júnior, também coordenador da área no Hospital Geral do Estado (HGE).

Segundo ele, o labirinto pode ser afetado por alterações inflamatórias, infecciosas, traumáticas, metabólicas, vasculares, degenerativas, neurológicas, endócrinas, tumorais, por medicações ou abuso de drogas entre outras. Já a labirintite pode ser causada por vírus, bactérias, lesão na cabeça, alergia ou ser uma reação a um determinado medicamento.

“Exames específicos como a vectoelectronistagmografia e exames auditivos, dão pistas sobre a origem das tonturas. Exames laboratoriais e de imagem complementarão (tomografia ou ressonância magnética de ouvidos, doppler das carótidas),complementarão o diagnóstico”, esclareceu o médico.

De acordo com o especialista, os sintomas da doença são bastantes variáveis e deve-se, primeiramente, tentar descobrir a causa, para se ter certeza que se trata de uma labirintite. Para ele, o diagnóstico deve ser feito de maneira multidisciplinar, com vários outros profissionais da área de saúde.

“Tonturas rotatórias ou não, que pioram ao movimentar a cabeça, zumbidos, enjoos, vômitos e cefaleia são os principais sintomas que podem estar associados a labirintite. A doença também pode ser causada por dificuldades de origens hormonais, cardiovasculares e, em alguns casos, até psicológicas. Assim como complicações de outras infecções próximas, como otites e até meningites”, completou.

0528HGE

Nem toda tontura é labirintite – “Nem toda tontura é labirintite, mas toda labirintite tem tonturas. Pesquisas mostram que apenas 5-7% dos casos de tonturas são labirintites realmente. Casos de sentir tontura quando se deita ou quando se fecha os olhos podem estar associados à doença, bem como episódios de desmaio, mas, também podem estar associados a outros problemas e que repercutem no labirinto”, alertou.

As tonturas estão entre os sintomas mais frequentes em várias doenças e são de origem labiríntica em 85% dos casos. Podem estar relacionadas a problemas como o estresse, ou a queda repentina da pressão arterial, desidratação e queda na taxa de açúcar no sangue (hipoglicemia), e, até mesmo, problemas cardíacos, hipertensão e tumores.

O médico Floriano Rocha explicou que complicações dependem do agente causador das tonturas. “Uma infecção bacteriana do labirinto, por exemplo, pode levar a uma destruição total do ouvido interno e consequente surdez irreversível ou até mesmo uma meningite. Devendo-se tentar descobrir a causa específica que ocasionou a tontura”.

O tratamento depende da causa específica que levou o paciente a ter as tonturas. O médico orientou aos pacientes em crise de tonturas procurarem a unidade de emergência mais próxima, a fim de se examinar e se instruir o tratamento inicial o mais rápido possível. O tratamento deve seguir de forma ambulatorial na rede SUS do estado (1º. Centro, 2º. centro ou PAM Salgadinho).

Reide Brandão – Agência Alagoas