Grupo Coruripe tempera o arroz com feijão e turbina a produtividade

b599b9f7557a1404d80921e4a5b2087e
Unidade Carneirinho alcançou 102 toneladas de cana por hectare na safra 2015/16

As quatro unidades do Grupo em Minas Gerais beiram ou passam de 100 toneladas por hectare

As quatro unidades da Usina Coruripe em Minas Gerais terminaram a última safra perto da casa dos três dígitos de produtividade, ou superando bem este patamar. A Unidade Limeira do Oeste terminou a safra 2015/16 em 101 t/ha e a Carneirinho, em 102 t/ha, além da própria unidade Iturama, que fechou em 114 t/ha. Já a Unidade Campo Florido beirou os três dígitos, concluindo o ciclo com quase 99 t/ha.

Paraafirma José Marcos Jorgi, gerente geral agrícola da Coruripe, alguns fatores têm sido diferenciais para o desempenho crescente da produtividade das unidades mineiras da Coruripe. “Além do comprometimento da equipe, o que tem feito a diferença são, por exemplo, o planejamento da reforma e o planejamento varietal.”
O executivo salienta que é crucial fazer o arroz com feijão bem feito. Mas ele reconhece que a empresa tem utilizado alguns “temperos” muito eficientes nesse arroz com feijão.

“De lá pra cá investimos muito em agricultura de precisão e em irrigação. Também adotamos um novo sistema de manejo de variedades, em que mudamos o perfil varietal para chegar ao perfil ideal para cada área.”

Outra preocupação prioritária adotada pelas unidades do Grupo tem sido a correção do solo. “Basicamente reformulamos o sistema de carga de adubação, recalculamos as quantidades de fertilizantes, passamos utilizar a quantidade certa de produtos no momento adequado. Apenas depois de corrigido o solo que entramos tomando as outras medidas.”

Jorgi observa que a correção do solo tem sido a base dos procedimentos adotados na Iturama e nas demais unidades da Coruripe. “O cuidado especial com o solo é importante porque temos muita área em ambientes restritivos. Hoje temos mais de 60% das nossas áreas compostas por ambientes C, D e E, na média das quatro unidades.”

Ao perceber essa demanda dos solos das usinas e os resultados que poderiam ser obtidos com a aplicação contundente de tecnologias, a empresa buscou ferramentas que compensassem as deficiências de fertilidade, incrementando diferentes técnicas. “Para a correção do solo, adotamos a agricultura de precisão para jogar o produto certo, no momento certo e no local certo.”

CanaOnline