Esclarecer tem sido a principal ação dos assistentes sociais no HGE

Direitos e deveres de pacientes, familiares e profissionais do hospital estão sempre na pauta do serviço social

5a08b7b455c29c304dabcd194521e2e1_L
A assistente social Dayana Santos explica que todos os pacientes internados no hospital são de conhecimento do serviço social do HGE. Thallysson Alves

O cidadão tem direito a tratamento adequado e efetivo, assim como o dever de contribuir com a assistência e o bem-estar de todos os presentes no ambiente hospitalar. A afirmação é amplamente divulgada pela a equipe de assistentes sociais do Hospital Geral do Estado (HGE), que tem atendido diariamente a centenas de usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

Na única unidade exclusiva e especializada no tratamento a vítimas de AVC em Alagoas está o ambulante Sebastião Ferreira Amorim, de 71 anos, residente na cidade de Maribondo, distante quase 64 km de Maceió. Sem filhos e com os irmãos também idosos, os sobrinhos são os mais indicados para resolver a sua situação no hospital.

 

“Todos os meus parentes vivem em Maribondo e eles não podem me acompanhar durante a estadia no HGE. Então minha sobrinha tem vindo quando pode nos horários de visita e conversado com as assistentes sociais, que tem feito todas as devidas orientações acerca dos meus direitos enquanto paciente”, disse Sebastião Ferreira.

 

A assistente social Dayana Santos explica que todos os pacientes internados no hospital são de conhecimento do serviço social do HGE, cujos profissionais priorizam o bem-estar coletivo e a integração do indivíduo na sociedade.

 

“Na abordagem aos familiares e pacientes nós procuramos orientar sobre o funcionamento do hospital, desde os horários de visitas até as informações básicas sobre a assistência a saúde do enfermo. Também informamos sobre benefícios, proibições, horário de refeições, deveres e direitos de todos os pacientes, visitantes e profissionais que atuam no HGE”, diz a assistente social Dayana Santos.

 

A assistente social lembra ainda que “no caso dos pacientes não identificados, nós iniciamos uma busca com a ajuda de vários órgãos municipais e estaduais. E se ainda assim não adiantar, nós recorremos a nossa assessoria de comunicação para divulgar o caso nas empresas de comunicação”.

 

Será neste dia 15 de maio que os assistentes sociais de todo o país comemoram a aprovação do decreto 994/62 que regulamenta a profissão e cria os Conselhos Federal e regionais, fato que instituiu a categoria os instrumentos normativos e de fiscalização. “Uma vitória a nossa categoria, sempre empenhada a contribuir com a melhoria social”, ressaltou Dayana Santos.

 

Para o paciente Sebastião Ferreira, desses profissionais contribuem positivamente com a recuperação do doente. “Tão como o médico é importante, também são os nutricionistas, psicólogos, fonoaudiólogos, fisioterapeutas, equipes de enfermagem e outros. Sem a participação da assistente social, eu acredito que não estaríamos esclarecidos e isso poderia dificultar a minha recuperação”, pontuou.

Thallysson Alves – Agência Alagoas