Após 35 anos, filho reencontra mãe no dia do aniversário: Melhor presente

Wellington da Silva, de 36 anos, foi adotado quando tinha um ano.
Reencontro foi em Sarapuí, onde a mãe biológica Lúzia Silva mora.

Reencontrar a mãe biológica sempre foi um dos sonhos do serralheiro Wellington Martins da Silva. O que ele não sonhava ou até imaginava é que esse reencontro aconteceria no dia do próprio aniversário. Nesta terça-feira (17), data em que comemorou 36 anos, Wellington ganhou um forte abraço e muitos beijos da mãe Lúzia Martins da Silva, em Sarapuí (SP). “Um presente. Com certeza o melhor presente”, celebra. “É um dia abençoado, que felicidade”, também comemora a mãe.

Wellington foi adotado quando tinha 1 ano. Lúzia tinha 14 anos quando deu à luz. Segundo ela, a decisão de entregar a criança para outra família foi do pai dela. “Ele achou que eu não merecia criar o bebê, porque era muito nova e não era casada”, conta a mãe, que hoje tem 51 anos.

Ambas famílias viviam em Guaraniaçu (PR) quando o bebê foi adotado. Mas com o passar dos anos eles se mudaram. Wellington tinha 6 anos quando se mudou com os pais adotivos para Santo André (SP), onde continua morando. Já Lúzia se mudou em 1993 para Sarapuí, quando tinha 27 anos. Na época ela já estava casada e com três dos outros cinco filhos que teve.

Nesses 35 anos sem contato, os dois procuraram um ao outro em inúmeras tentativas. “Pesquisei várias vezes, mas sempre quando colocava na internet Lúzia Silva aparecia um monte de foto e eu não sabia como era ela”, conta o filho Wellington. “Nesses anos já fui à polícia, no cartório, em tudo quanto lugar, mas nunca consegui”, afirma a mãe.

Lúzia só teve sucesso ao buscar ajuda com o guia turístico Lucas Antunes, de 23 anos, que também mora em Sarapuí. Sabendo apenas o nome completo de Wellington, Lucas conseguiu achar o filho distante na internet. “No site da Receita Federal e depois do Bolsa Família encontrei o nome dele com o de Lúzia na parte de filiação. Tinha um número telefônico, liguei e descobri que o número tinha mudado. Mas nesse novo número finalmente consegui falar com ele”, descreve o guia.

Porém, não foi fácil marcar o reencontro de mãe e filho. Wellington inicialmente não acreditou que Lucas falava por sua mãe que não via há três décadas. “Ele nunca atendia ou estava trabalhando ou estava dormindo. Só no último domingo [15] é que ele me ouviu com atenção e que mandei um vídeo e fotos da mãe e irmãos dele”, conta Lucas.

Confirmada a história, Wellington, dois irmãos dele e o Lucas combinaram um encontro surpresa com Lúzia, que é viúva há 12 anos. “Ela não sabia. Fingimos que o reencontro ainda seria marcado. Eles estavam gravando um vídeo com ela quando apareci de surpresa. Foi emocionante”, afirma o filho.

Emoção também para quem acompanhou a história. A irmã Rosemara Rocha Silva, de 33 anos, se emocionou ao falar o quanto isso era importante para a mãe. “Nossa, eu não tenho palavras. É a realização do sonho dela e do nosso também. Conhecer meu irmão foi uma benção de Deus”, comemora.

Depois do reencontro, a família marcou um churrasco na casa de um amigo da família. Houve muita conversa e muitas histórias do passado para atualizar os 35 anos. O bate-papo durou horas e foi até o café da tarde. A esposa de Wellington, Zuleide Santana Oliveira, de 36 anos, conta que já até pensa nos próximos encontros com a nova família. “Estamos juntos há 15 anos e ele sempre falou da mãe biológica que não conhecia. Fico muito feliz por ele e por minhas filhas, que agora têm uma nova avó”, afirma.

O casal, que tem três filhas de 12, 8 e 3 anos, planeja passar as próximas datas comemorativas com a família do interior. “Passamos o último Natal na praia, mas agora quando houver um feriado vou voltar aqui. Vamos passar os dias fazendo churrasco e conversando tudo aquilo que temos para falar um ao outro”, completa Wellington.

g1

18/01/2017

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *