Jornalistas alagoanos entram em greve por tempo indeterminado

Os jornalistas alagoanos iniciaram nesta terça-feira (25) uma greve por tempo indeterminado contra a redução salarial proposta pelos empresários durante as negociações do reajuste anual. A mobilização começou ainda de madrugada em frente à sede da TV Gazeta, TV Pajuçara e TV Ponta Verde, que foram as empresas que propuseram a redução.

A paralisação foi mantida após uma assembleia realizada ontem, no auditório do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Alagoas (Crea-AL) e contou com representantes do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal) e da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj).

De acordo com a presidente da Fenaj, Maria José Braga, o que está acontecendo em Alagoas é um reflexo direto do sistema capitalista. “Os empresários alagoanos querem tirar do trabalhador a sua dignidade, querem nos impor a servidão, mas o trabalho precisa garantir vida digna ao trabalhador”.

Conforme a proposta das empresas, o valor do atual piso salarial, que é de R$ 3.565,27, seria reduzido em 40% totalizando um pouco mais de R$ 2.100,00. O Sindicato dos Jornalistas tentou viabilizar diversas negociações com os empresários, que não apresentaram nenhuma proposta que contemplasse a categoria.

A mobilização é geral de toda categoria e a redação do CadaMinuto adere ao movimento levando até a sociedade alagoana todas as informações sobre a luta de todos os profissionais.

Em nota, a OAB de Alagoas disse que “o momento clama pela garantia da liberdade de imprensa e manifestação, bem como pela valorização do jornalismo”.

Confira a nota abaixo:

Em uma época onde as fake news tomam conta das redes sociais e o ódio é disseminado irresponsavelmente, é importante que os profissionais de comunicação apurem os fatos e abasteçam a sociedade com informações confiáveis.

Para tanto, é preciso conferir dignidade e condições de trabalho a esses profissionais.

A OAB/AL conclama todos ao diálogo, jornalistas e empresas de comunicação, a fim de que sejam encontradas soluções sustentáveis e que preservem a sobrevivência de todo o sistema de imprensa alagoano, bem como das conquistas trabalhistas.

25/06/2019